quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Raíssa - Rainha de Bateria da Beija-Flor de Nilópolis


Em 2012, Raíssa vai completar dez anos como rainha da Beija-Flor (Foto: Irapuã Jeferson / Divulgação)
Raíssa


Há 10 anos como rainha da Beija-Flor, Raíssa promete fantasia luxuosa

Além de sambar, musa cuida de uma ONG na Baixada Fluminense.
Diferente de outras rainhas, a jovem diz não ser adepta de dietas.

 
 
 
 
Luxuosa, com muito brilho e comportada. Assim será a fantasia da rainha de bateria da Beija-Flor de Nilópolis, Raíssa Oliveira, para o carnaval do Rio de Janeiro de 2012. Pelo menos é o que a musa promete. Em entrevista à imprensa carnavalesca, a estudante de jornalismo disse que divide o tempo entre os estudos, ensaios na quadra e o trabalho na ONG Espaço Cultural Rayd, criada por ela e por seu irmão.

Mesmo sem saber os detalhes da sua fantasia, de uma coisa Raíssa disse ter certeza: ela não será vulgar. A musa – que vai completar dez anos à frente da bateria da azul e branca de Nilópolis, na Baixada Fluminense – afirmou que a comissão de carnaval e a própria direção da escola sempre se preocupam em fazer uma fantasia que não mostre mais do que o necessário. Em alguns casos, ela assumiu até receber alguns "puxões de orelha" dos carnavalescos.

“Eu obedeço muito a escola. Para não ficar muito vulgar, eles prezam por tudo, e eu respeito muito a opinião deles e acho isso muito legal. Eles até pegam muito no pé. Se está muito curto, eles falam. Às vezes eu acho até engraçado, depois que começo a sambar não tem jeito. A fantasia não será vulgar, nunca foi. Ela será linda, maravilhosa e luxuosa como sempre”, disse ela.

Após turbinar os seios com 280 ml de silicone para o desfile deste ano, Raíssa garante que não fará nenhuma mudança no corpo para 2012. No entanto, ela afirmou que mantém as séries de uma hora de musculação na academia. Preguiçosa assumida, a musa disse que malha três vezes por semana. Diferente de outras rainhas, a jovem diz não ser adepta de nenhuma dieta.

“Eu sou um pouco preguiçosa, eu não gosto de malhar, mas eu malho geralmente uma hora, e também os ensaios que fortificam muito. Eu também como de tudo, não tenho essas frescuras. Não tem como resistir a uma boa picanha bem gordurosa, uma pizza e hambúrguer. Mas quando vai chegando o carnaval, eu dou uma maneirada”, revelou ela.

Raíssa estreou à frente da bateria da Beija-Flor em 2003, aos 12 anos, após ganhar um concurso de TV no qual concorriam passistas mirins de diversas escolas. Ao contrário de outras musas, Raíssa foi indicada pela própria comunidade, e mantém-se fixa num posto considerado rotativo. Antes de desfilar como rainha de bateria, ela era passista mirim.

Atual campeã do carnaval, a Beija-Flor, será a sexta escola a passar pela Avenida no domingo (19 de fevereiro), com o enredo "São Luís - O poema encantado do Maranhão", que será desenvolvido por uma comissão de carnaval. A escola de Nilópolis promete falar sobre a história e cultura de São Luís do Maranhão, terra de personalidades como Alcione e Joãozinho Trinta.

Paixão pelo Maranhão
Como parte da agenda oficial de eventos da Beija-Flor, Raíssa teve a oportunidade de conhecer o Maranhão numa viagem ao lado da comissão de carnaval e da bateria, comandada pelos mestres Plínio e Rodney. A rainha contou que ficou apaixonada pelo povo maranhense e que pretende voltar ao estado após o desfile. Ela disse que o estado queria participar da escolha do samba.


Raíssa diz que ensaia uma vez por semana na quadra da escola ao lado da comunidade (Foto: Irapuã Jeferson / Divulgação)
Raíssa - Rainha de Bateria da Beija-Flor


“Eles (maranhenses) queriam participar do concurso de samba-enredo. A comissão teve que ir para lá, e nós fomos fazer uma apresentação para o povo maranhense. O primeiro contato foi maravilhoso. Eles realmente estão empolgando com o enredo. O Maranhão é um estado rico em cultura e beleza, eu tenho certeza que ele será bem contado na Avenida”, defendeu ela.


Em relação à comemoração pelos dez anos à frente da bateria, Raíssa disse que ainda não programou nada, mas já adiantou que o desfile será especial: “Tem coisa melhor do que festejar dez anos à frente de uma bateria com um sambódromo novinho em folha? A ampliação vai fazer com que mais pessoas vivam o carnaval. O carnaval do Rio será mais conhecido”, acredita ela.


Raíssa prestou homenagem a Roberto Carlos no carnaval 2011 (Foto: Irapuã Jeferson / Divulgação)
 
Samba e solidariedade
Há três meses, Rainha administra a sua ONG Espaço Cultural Rayd, em Nilópolis, um projeto voltado para atender crianças e idosos de baixa renda. Segundo ela, a instituição fica localizada ao lado da quadra da Beija-Flor, e oferece aulas de danças, cursos de teatro, oficina de cabeleireiro, sessões de drenagem linfática, e ainda abriga uma clínica médica para consultas.


“É uma realização de um sonho. Sempre quis atender o público que precisa de ajuda. Eu e meu irmão já estávamos pensando nisso há algum tempo, e felizemente pudemos tornar isso realidade. Nós atendemos crianças e idosos. Além de comandar tudo, eu também dou aulas de samba. Amo isso. Agora também buscamos atender pessoas de outras localidades, não só de Nilópolis, gente que não tem condições de pagar um curso de dança, um psicólogo e uma drenagem”, explicou ela.
Cria do samba, Raíssa conta com o apoio da comunidade e de toda a direção da Beija-Flor. Por enquanto, ela diz que consegue conciliar o trabalho na ONG com a função de rainha, porém, ela disse que vai ter que se preparar para o fim do ano, quando começa a maratona de ensaios: “Está tudo começando agora, muito precoce. Depois é que o bicho pega”, brincou a musa.


Raymondh Júnior

Nenhum comentário:

Postar um comentário